30/06/2022doc9

Ataque de ransomware: o que é, como se prevenir e retirar [Guia Completo]

Você já ouviu falar sobre ataque de ransomware? Essa ameaça é bastante conhecida, representando grandes riscos para você e para o seu dispositivo.

Esse tipo de invasão pode ser extremamente custosa, tendo em vista que se trata de um software de extorsão.

Um ataque de ransomware consumado bloqueia o seu computador e exige um resgate para desbloqueá-lo, e pode oferecer prejuízos muito além do financeiro.

Em grande parte dos casos, o ataque de ransomware ocorre, primeiramente, com o acesso ao dispositivo e, em seguida, os arquivos do proprietário são criptografados.

Dessa forma, o criminoso exige um resgate dos dados para as vítimas.

Quer entender melhor sobre o ataque de ransomware e como se proteger? Então, continue a leitura desse guia completo e fique por dentro!

O que é um ransomware?

O ransomware é uma espécie de malware, vírus de dispositivos eletrônicos desenvolvidos por cibercriminosos.

Esses malwares se instalam em computadores e em dispositivos móveis sem a autorização do proprietário e funcionam como uma ferramenta de extorsão.

Após infectados, os cibercriminosos têm autonomia para manipular os dispositivos, geralmente, bloqueando os computadores de qualquer parte do mundo, criptografando seus dados.

As máquinas infectadas com o vírus apresentam janelas de notificação com avisos de que a máquina foi sequestrada.

Nesse caso, o dono só retomará seu controle por meio do pagamento de um resgate.  

Para evitar o rastreamento dos cibercriminosos, os pagamentos  geralmente são solicitados através de criptomoedas, geralmente em bitcoins.

Com o pagamento efetuado, os controladores prometem descriptografar os dados e restaurar o acesso ao dispositivo afetado.

Entretanto, essa não é uma garantia, tendo em vista que, em alguns casos, uma vez criptografados, os dados podem não ser mais recuperados.

Ocorrendo o sequestro dos seus dados, o ideal é consultar um técnico para verificar a possibilidade de descriptografia sem a necessidade de realizar o pagamento.

Quando pensamos na realidade de empresas que lidam com sistemas que guardam informações sigilosas, o ataque de ransomware pode ser um grande pesadelo.

Geralmente, os cibercriminosos realizam o sequestro de dados utilizando as seguintes técnicas:

  • O ransomware Diskcoder que tem a capacidade de criptografar o disco completo fazendo com que o usuário não consiga acessar o sistema operacional.
  • O ScreenLocker bloqueia o acesso à tela do dispositivo.
  • O Crypto-ransomware bloqueia dados armazenados no disco da vítima.
  • O PIN Locker busca atingir os dispositivos Android e muda seus códigos de acesso para bloquear os usuários.

Como surgiu o ransomware?

Como tudo tem uma gênese, o ransomware também teve o seu começo e o primeiro foi criado no ano de 1989 por Joseph L. Popp, um biólogo evolucionário com PhD em Harvard. 

O primeiro ransomware ficou conhecido como AIDS e enganava os usuários informando que a licença de um determinado software utilizado pelo usuário havia expirado.

Ao clicar na notificação, o dispositivo do usuário era infectado pelo malware.

Em 2013, tivemos um novo surto de ransomware com o CryptoLocker, que ficou famoso ao atingir todas as versões do Windows. 

Esse vírus foi capaz de infectar centenas de milhares de computadores pessoais e sistemas corporativos através do envio de e-mails maliciosos.

Os golpistas enviavam e-mails utilizando endereços que pareciam ser de serviços de atendimento ao cliente de empresas respeitadas.

Esse ataque consistia em “sequestro” dos dados utilizando criptografia que exigia o pagamento médio de US$ 300 em até 2 horas em troca da chave para liberar os dados.

Quatro anos depois, em 2017, surgiu o ransomware mais famoso da história, o WannaCry, um vírus que atingia a vulnerabilidade do Windows, descrita e corrigida no Boletim de Segurança da Microsoft. 

Assim como o CryptoLocker, o WannaCry sequestrava os dados da vítima e pedia um resgate de US$ 300 em bitcoins que deveria ser pago em até três dias. 

À medida que os dias se passaram, o valor dobrou, chegando a US $600 em bitcoins se não fosse pago dentro do prazo. 

Caso o proprietário dos dados se recusasse a pagar, os hackers prometiam apagar os arquivos para sempre.

Em 2018 o ransomware GandCrab  provavelmente infectou cerca de 1,5 milhão de computadores, gerando aproximadamente de R$ 10 bilhões para os seus criadores.

Como acontece o ataque de ransomware?

Existem diversas formas de infiltração do ransomware nos computadores, visto que existem várias portas de entrada para infectar o seu dispositivo.

O spam malicioso tem sido uma das formas preferidas de ataque.

Um e-mail não  solicitado é enviado para a vítima, sendo usado para entregar malwar

Nesse e-mail são incluídas diversas armadilhas em anexo, como PDFs ou documentos do Word e até mesmo conter links para sites maliciosos.

Qual é o método mais comum de ataque de ransomware?

Como mencionado anteriormente, uma das principais formas de propagação de ransomware é através de e-mails maliciosos.

Além disso, outra forma bastante comum é a exploração de vulnerabilidades de segurança, como software com os patches de segurança não atualizados.

O ataque de ransomware ocorre geralmente através da técnica de phishing (pescaria), utilizando a Engenharia Social para que esses ataques sejam efetivos.

A vítima pode fazer sem querer o download do arquivo anexado ou clicar em algum link mal intencionado para baixar um arquivo e executá-lo de forma a disponibilizar o seu login e senha para o atacante. 

Como proceder em caso de ataque consumado?

O meu dispositivo foi atacado. E agora?

Bem, essa é uma situação que pode deixar as pessoas desesperadas, mas os especialistas recomendam calma para pensar com racionalidade.

É recomendado que você não pague pelo resgate dos arquivos, tendo em vista que não existem garantias que ele possa ser recuperado.

Além disso, isso abre brecha para que o cibercriminoso aplique outro golpe em você.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Sophos, a probabilidade de recuperar todos os seus dados após o pagamento é de apenas 8%.

Ainda de acordo com essa mesma pesquisa, as organizações que pagaram o resgate receberam de volta apenas 65% de seus dados, com 29% recebendo não mais da metade deles.

Diante de um ataque como esse, o ideal é formatar a máquina e iniciar uma instalação limpa do sistema operacional.

Além disso, outras medidas técnicas que você pode tomar são: 

  • Verificar se existe uma nova conta cadastrada no seu dispositivo;
  • Realizar uma análise de logs;
  • Verificar as conexões de rede;
  • Verificar o roteamento da rede para identificar rotas diferentes do padrão.

Como detectar um ransomware?

Quando o assunto é ransomware, sem dúvidas, é muito mais vantajoso prevenir do que remediar.

Para isso, é fundamental que você esteja atento às possíveis vulnerabilidades do seu sistema.

Nessa realidade, os softwares de segurança são fundamentais.

Esses dispositivos de segurança devem estar sempre atualizados para se beneficiar dos mais recentes patches de segurança.

Vejamos agora algumas medidas de segurança a detecção de um possível ataque de ransomware:

Fique de olho em alarmes do antivírus

Os programas antivírus enviam alarmes e notificações para o seu dispositivo sempre que uma ameaça é detectada.

Dessa forma, é grande que ele identifique o ransomware antes que o computador seja efetivamente infectado.

Geralmente, o antivírus consegue identificar muitas vezes o nome exato do malware que está tentando infectar a máquina enviando um alerta para o proprietário da máquina.

Verifique a extensão e o nome dos arquivos

A extensão e o nome dos arquivos são ótimos parâmetros para verificar se existe algo de errado.

Então, por exemplo, normalmente, um arquivo de imagem sempre terá extensões “.jpg” ou “.png”.

Caso você identifique a mudança de extensão em algum arquivo para uma sequência de letras diferente do normal, é hora de ficar em alerta.

É possível que sua máquina esteja sofrendo um ataque de sequestro virtual.

Verifique se há aumento da atividade da CPU e do disco. 

Outra maneira de detectar a presença de um ransomware na sua máquina é o aumento da atividade do disco ou do processador para valores acima do comum.

Provavelmente, existe algo sendo executado em segundo plano, realizando alterações nos componentes do computador.

Diante dessa possibilidade, o ideal é checar a frequência dessa informação, pois ransomwares podem estar criptografando dados neste exato momento.

Fique de olho em comunicações de rede duvidosas

Não ignore os alertas sobre a sua máquina estar realizando uma comunicação de rede suspeita.

Geralmente, o próprio sistema operacional ou em seu programa antivírus fazem esse alerta que pode ser justamente a interação do malware com o servidor da vítima.

Como se proteger de um ransomware?

Vejamos agora algumas dicas valiosas para você se proteger de um ataque de ransomware:

Evite a divulgação de informações pessoais

Sem dúvidas, uma das principais formas de se proteger é evitando a divulgação dos seus dados pessoais.

Então, caso você receba uma chamada, mensagem de texto ou e-mail de uma fonte não confiável solicitando informações pessoais, não caia nessa cilada.

Provavelmente esse é o sinal de que cibercriminosos estão planejando um ataque de ransomware, com a coleta de informações pessoais.

Esses dados podem ser utilizados posteriormente para  personalizar mensagens de phishing especificamente para você. 

Use certificados digitais

O uso de certificados digitais é uma boa forma para garantir a segurança do seu dispositivo.

Essa estratégia de certificados digitais de autoridades de certificação (CAs) publicamente confiáveis podem ajudar a combater alguns vetores comuns de ransomware e outros tipos de malware.

Um dos grandes desafios das empresas, entretanto, é o compartilhamento de certificados digitais entre seus colaboradores.

Felizmente, já existem soluções, como o Whom, que permite que você faça a gestão desse compartilhamento de forma segura e eficaz. 

Não abra anexos de e-mail suspeitos

Como descrevemos anteriormente, uma das principais formas de invasão é através do envio de e-mails maliciosos para as vítimas.

Diante dessa realidade, evite abrir qualquer anexo de aparência duvidosa de endereços desconhecidos por você.

Para ter certeza sobre a procedência do e-mail, leia com atenção remetente e verifique se o endereço está correto. 

Além disso, nunca abra anexos que pedem para habilitar macros para serem visualizados. 

Caso o anexo infectado seja aberto, o malware poderá ser executado e obterá o acesso ao seu computador.

Mantenha programas e sistemas operacionais atualizados

A atualização de programas e sistemas operacionais é uma das melhores formas de proteger o seu dispositivo contra ataques de ransomware.

Essas atualizações permitem obter os patches de segurança mais recentes de forma a manter o seu computador menos vulnerável aos ataques.

Use apenas fontes de download conhecidas

Com tantos arquivos infectados circulando na internet, o risco de baixar um ransomware é alto.

Diante dessa realidade, evite realizar o download de software ou arquivos de mídia em sites desconhecidos. 

Preferencialmente, confie somente em verificados e que contem com selos de confiança. 

Para saber se o ambiente é seguro, certifique-se de que na barra de endereço do navegador da página que você está visitando o endereço seja “https” em vez de “http”. 

Outra forma de descobrir se a página é segura é através do símbolo de cadeado na barra de endereço.

Nos dispositivos móveis, preste atenção ao fazer o download de qualquer coisa na internet.

Preferencialmente, realize o download de aplicações que estejam presentes no Google Play Store ou na Apple App Store.

Use serviços de VPN em redes Wi-Fi públicas

Você usará wi-fi nas redes públicas? Então opte pelo serviço de VPN para se proteger contra ransomware. 

Nessas redes o seu computador pode ser mais vulnerável a ataques, por isso, evite usar redes Wi-Fi públicas para realizar transações confidenciais.

Caso precise, use um serviço de VPN seguro.

Por que utilizar um software anti-ransomware?

Além das medidas citadas acima para prevenir um possível ataque de ransomware é fundamental utilizar um software apropriado para se proteger contra esses malwares.

Um software anti-ransomware faz a verificação de vírus e filtra os conteúdos em seus servidores de e-mail de uma maneira inteligente.

Além disso, esses programas reduzem o risco de spam com anexos maliciosos ou links infectados que podem chegar a sua caixa de entrada.

Ao instalar um software de segurança você já estará dando um grande passo na proteção do seu dispositivo.

Vale lembrar também, de atualizar regularmente sua solução de segurança para ter a versão mais recente do software, corrigindo vulnerabilidades não percebidas anteriormente.

Conclusão

O ransomware é um tipo de malware, ou seja, um vírus que infecta dispositivos eletrônicos, desenvolvidos por cibercriminosos.

Nessa realidade, é fundamental que as ações realizadas nos dispositivos sejam seguras, mantendo o cuidado para não cair em armadilhas.

Ações simples no dia a dia, como o gerenciamento de certificados digitais compartilhados, podem auxiliar a manter o ambiente de trabalho mais seguro.

Essas medidas são necessárias para que você esteja preparado para evitar cenários piores.

E aí, conseguiu entender o que é um ransomware e como se prevenir de um ataque? Tem muito mais conteúdo esperando por você aqui no nosso blog!

Lorem ipsum dolor sit amet

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur. A vestibulum diam tincidunt mi odio aliquam tellus aliquam dictum. 

SAIBA MAIS

Compartilhe:

MAIS CONTEÚDOS PARA VOCÊ

Recompensa em Dinheiro

LEIA MAIS

Saiba Como um Advogado Correspondente pode Facilitar a Rotina da sua Empresa

LEIA MAIS

Robôs Extinguirão as Carreiras Jurídicas! Só que não

LEIA MAIS
Assine a Newsletter e fique por dentro das novidades.