15/12/2022doc9

Segurança na nuvem: o que é e como garantir

A segurança na nuvem está relacionada à compreensão de como funciona sua infraestrutura e seu gerenciamento, bem como a medidas para evitar ataques.

As empresas que aderem à computação ou ao armazenamento em nuvem contam com diversas vantagens. A possibilidade de acessar suas informações, serviços e sistemas de qualquer lugar é um dos benefícios que se destaca.

Ao aderir a esse sistema, a necessidade de investimento em equipamentos é reduzida, pois os funcionários podem trabalhar de forma remota. Porém, a migração dos negócios para ambientes na nuvem também atrai a atenção de cibercriminosos.

Isso porque os hackers tendem a acompanhar os investimentos do mercado corporativo. Para te ajudar a entender como garantir a segurança na nuvem e proteger os dados do seu negócio, desenvolvemos esse artigo com dicas. Confira!

Navegue

Introdução

Você já se perguntou se é seguro usar a nuvem? A segurança na nuvem está relacionada à segurança e privacidade de dados em aplicativos, infraestrutura e plataformas on-line. Para proteger esses sistemas é preciso que haja esforços dos provedores e dos usuários.

Por um lado, há os provedores, que hospedam serviços em servidores com conexões de internet sempre disponíveis. Eles utilizam métodos de segurança para manter os dados dos clientes armazenados com segurança e privacidade. 

Mas, a segurança de dados na nuvem também está relacionada às ações dos clientes. Por esse motivo, é preciso entender bem como garantir a segurança na nuvem em suas atividades do dia a dia.

Afinal, o que é segurança na nuvem?

Segurança na nuvem é um termo bastante amplo, que engloba tecnologia, protocolos e práticas recomendadas para a proteção de informações na nuvem. Por meio dela, é possível garantir a segurança, privacidade e conformidade desses dados.

Como a computação em nuvem tem uma natureza dinâmica e distribuída, exige cuidados específicos quando se trata da proteção de dados em nuvem. Isso inclui controles de segurança e melhorias de processos voltados a:

  • Fortalecer o sistema;
  • Notificar sobre possíveis invasões;
  • Detectar incidentes.

Além disso, inclui planos de continuidade dos negócios e de backup de dados em casos de violação da segurança e outros incidentes. Existem diversas soluções e ferramentas de segurança voltadas a nuvens públicas, privadas e híbridas.

O primeiro passo para garantir a segurança em nuvem é escolher o modelo de serviço que atende às necessidades da organização. Existem três modelos de serviço e quatro opções de implantação disponíveis. As opções de modelo de serviço incluem:

  • Infraestrutura como Serviço (IaaS) – Por meio do modelo IaaS, as empresas podem construir seu próprio Data Center virtual (vDC) com recursos baseados em nuvem, sem a necessidade de manutenção regular, atualizações ou manutenção de máquinas físicas;
  • Plataforma como Serviço (PaaS) – Por meio do modelo PaaS, as empresas contam com diversas opções para provisionar, implantar ou criar softwares.

Como Funciona E Quais As Vantagens Do Certificado Digital Em Nuvem?

Além disso, é preciso garantir a configuração adequada da ferramenta e adotar hábitos de uso seguros e de proteção de quaisquer redes e hardwares utilizados. O escopo completo de segurança na nuvem é projetado para atender os seguintes pontos:

  • Redes físicas: inclui roteadores, cabeamento, energia elétrica, controles de climatização, etc.;
  • Armazenamento de dados: inclui discos rígidos e outros;
  • Servidores de dados: inclui hardware e software de computação de rede essencial;
  • Estruturas de virtualização de computador: inclui software de máquina virtual, máquinas de host e máquinas de convidados;
  • Sistemas operacionais (OS): inclui software com suporte para todas as funções do computador;
  • Middleware: inclui gestão de interface de programação de aplicativos (API);
  • Ambientes de tempo de execução: inclui a execução e manutenção de um programa em operação;
  • Dados: inclui todas as informações armazenadas, modificadas e acessadas;
  • Aplicativos: inclui serviços de software tradicionais (e-mail, software tributário, conjuntos de produtividade etc.);
  • Hardware de usuário final: inclui computadores, dispositivos móveis e dispositivos da Internet das Coisas (IoT).

Como a nuvem funciona sendo um banco de dados?

Por meio dos bancos de dados baseados na nuvem, os usuários podem armazenar, gerenciar e recuperar seus dados, sejam eles estruturados, não estruturados ou semi-estruturados por meio de uma plataforma acessível na internet.

Os bancos de dados na nuvem também são chamados de banco de dados como serviço (DBaaS). Isso porque normalmente são vendidos como serviços gerenciados.

Como posso garantir a segurança na nuvem?

1. Mantenha os backups em dia

Os backups são fundamentais para manter a segurança na nuvem. Isso porque sua função é criar cópias eletrônicas de dados para que seja possível recuperá-los no caso dos arquivos originais serem corrompidos ou se perderem.

Ao contratar um serviço de nuvem, verifique se essa opção é oferecida no pacote para garantir a integridade dos sistemas. Manter a rotina de backups é essencial para garantir a estabilidade, segurança e recuperação dos dados.

2. Cuidado com as senhas de acesso

Usar senhas é essencial para dificultar os ataques, mesmo que o serviço de computação em nuvem conte com a criptografia. Além disso, é preciso ter um controle de acessos rigoroso e limitado.

Para isso, você deve criar diferentes níveis de usuários, concedendo permissões específicas e restringindo a visibilidade de dados estratégicos para evitar vazamentos. Também é preciso criar uma Política de Segurança da Informação para registrar as diretrizes que a equipe deve seguir.

3. Mantenha seu antivírus atualizado

Os cibercriminosos utilizam pendrives, e-mails, programas pirateados e dispositivos móveis para invadir bancos de dados e sistemas. Mas, com a atualização do antivírus é possível corrigir erros no sistema e protegê-lo contra ameaças. 

Instruções de como avaliar segurança na nuvem de fornecedor

Como já dissemos, é preciso escolher um provedor de serviços na nuvem que tome todo o cuidado necessário com a segurança da informação na nuvem. Mas, o que é preciso avaliar para garantir sua segurança? Confira dicas:

1. Acesso privilegiado de usuários

O controle de usuários na nuvem é feito por softwares de gestão. Eles monitoram a rede e geram logs para que seja possível identificar qualquer erro por meio de credenciais, visualização e histórico de edição de arquivos.

Dessa forma, o privilégio de administrador deve ser cedido e monitorado com atenção pelo líder responsável do sistema. Caso haja mau uso nesse tipo de credencial, surgirão as brechas de segurança mais graves.

2. Compliance com a regulamentação

Por meio do gestor de TI, as empresas são responsáveis pela segurança e a integridade de suas informações. Grande parte dessa proteção não está na infraestrutura, mas na maneira como os colaboradores tratam as informações sensíveis e confidenciais.

Para evitar brechas de segurança muito difíceis de serem solucionadas, é fundamental que haja regulamentação e cumprimento do compliance, o que também deve ser cobrado pelo setor de TI.

3. Localização dos dados 

A localização dos servidores do provedor pode gerar problemas de desempenho ou até legais no futuro. Por esse motivo, o gestor de TI deve garantir que o provedor tenha o compromisso de armazenar e processar os dados de acordo com a legislação de seu país.

Um bom fornecedor de computação em nuvem incluirá em contrato o compromisso de obedecer às leis vigentes em todas as jurisdições envolvidas. Além disso, dará ao cliente ferramentas para verificar se está sendo cumprido.

4. Segregação de dados

É comum que diversos clientes do provedor utilizem o mesmo ambiente para carregar seus dados. Por esse motivo, é essencial saber como a empresa isola os dados em sua estrutura e qual é a criptografia que ela utiliza. O provedor deve fornecer essas informações antes da contratação.

5. Recuperação dos dados

O provedor também deve oferecer rotinas de backup e transparência em caso de problemas para atuar de forma imediata. Por isso, ambos os lados devem ter um plano de recuperação completo e estimar o tempo para essa recuperação.

É comum que isso seja feito por meio de um Service Level Agreement (SLA) de recuperação. Ele deve estar detalhado em contrato, com as responsabilidades e processos a serem executados em casos de desastres.

6. Apoio à investigação

A empresa e o provedor também devem incluir em contrato o compromisso de seguir as definições legais do país no qual a estrutura é mantida e utilizada. Também é preciso pré-definir processos e funções para casos de auditoria.

Essa é mais uma evidência da importância do compliance. Quando a empresa possui contratos transparentes e termos de uso claros, não há necessidade de stress ou medo diante de auditorias ou investigações legais.

7. Viabilidade em longo prazo

Problemas e dificuldades na entrega podem acontecer com qualquer provedor, mesmo os mais consolidados no mercado. Por isso, é essencial que o contrato traga a garantia de que os dados armazenados estarão disponíveis para recuperação e transferência caso você queira migrá-los para outro servidor.

Como a criptografia auxilia na segurança na nuvem?

A criptografia de dados serve para proteger informações privadas e confidenciais para a segurança da informação na nuvem. Assim, ela mistura blocos de dados de texto, formando um código secreto, que só pode ser decodificado com uma chave de descriptografia. 

Diferentes algoritmos transformam as informações em um texto cifrado de formato ilegível. Ele é transmitido ao receptor com com chaves para descriptografar os dados.

O receptor usa as duas chaves para descriptografar o texto cifrado, transformando-o em um formato legível. A autenticação de dados mantém o não-repúdio e a integridade dos dados por meio de um mecanismo de comunicação de rede complexo que auxilia na segurança de dados na nuvem.

Por que a segurança em nuvem é mais forte que a convencional?

Existe uma crença de que a nuvem não é segura o suficiente para proteger os dados sensíveis dos negócios. Porém, essa crença não passa de um mito. Os provedores de serviços em nuvem fazem grandes investimentos em medidas de segurança para garantir a segurança dos dados armazenados.

A segurança em nuvem pode ser até mais robusta do que a dos sistemas locais. Isso porque os provedores têm expertise e recursos para implementar medidas de segurança mais avançadas do que a maior parte das empresas conseguiria fazer internamente.

Os dados armazenados em nuvem são protegidos por criptografia, firewalls e outros mecanismos de segurança. Além disso, os provedores contam com equipes dedicadas e especialistas em segurança para monitorar ameaças e atualizar as defesas, garantindo a proteção dos dados.

De qualquer maneira, é muito importante lembrar que a maior parte dos ataques cibernéticos ocorre devido a falhas de segurança nas configurações e práticas dos usuários. Raramente ocorrem devido a brechas na segurança dos sistemas em nuvem. Por isso, é fundamental que as empresas adotem boas práticas de segurança. 

Saiba tudo sobre ataques cibernéticos e como se prevenir!

Quando devo investir em segurança na nuvem?

A computação na nuvem traz diversas vantagens aos usuários, como acessibilidade irrestrita, mais eficiência operacional e escalabilidade. Assim, se sua empresa usufruir desses benefícios, é essencial investir no gerenciamento de segurança da informação na nuvem. 

Dessa forma, você poderá continuar garantindo os benefícios da nuvem para seu negócio, além de:

Minimizar a exposição de dados essenciais

Por meio de métodos de criptografia e tokenização, a computação em nuvem mantém dados confidenciais seguros. Por meio das soluções em nuvem, é possível armazenar seus dados mais sigilosos em uma localização remota para aumentar sua segurança.

Mitigar ataques

Por meio de soluções antimalware e antivírus sofisticadas, é possível aumentar a segurança de dados e proteger as estações de trabalho de diversas ameaças. Com atualizações automáticas e regulares, pode-se garantir a segurança dos dados.

Segurança de backup em nuvem

Por meio da virtualização, é possível ter login seguro para acessar informações de forma remota. Dessa forma, o armazenamento de dados traz a facilidade da conveniência para o acesso a dados sensíveis. Por meio de backups em nuvem, é possível ter mais segurança diante de acidentes graves.

Tipos de segurança na nuvem, em estruturas

Existem três estruturas de segurança na nuvem. São elas:

Organização Internacional para Padronização (ISO)

O ISO é um padrão internacional que oferece listas de verificação para o estabelecimento de um novo sistema. Os ISOs 27017 e 27018 são dedicados ao tema da segurança na nuvem.

Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST)

Já o NIST é uma organização de normas internacionais sediada nos Estados Unidos. Ela fornece listas de verificação de estrutura para o estabelecimento de um novo sistema, além de artigos relacionados a problemas específicos.

Cloud Security Alliance (CSA)

Por último, o CSA é um conjunto de normas operacionais que fornece formulários e questionários detalhados para a autoavaliação. Dessa forma, ajudam na auditoria técnica de fornecedores terceirizados e de seus próprios sistemas.

Quais os principais diferenciais da segurança em nuvem?

Devido à mudança para a computação baseada em nuvem, a segurança de TI tradicional evolui. Apesar de os modelos em nuvem serem mais convenientes, a conectividade constantemente ativa exige novas considerações para a manutenção da segurança. 

Confira os principais diferenciais da segurança em nuvem em relação aos modelos de TI tradicionais:

Armazenamento de dados

Os modelos antigos de TI dependiam muito do armazenamento de dados local. Assim, as empresas perceberam que desenvolver todas as estruturas de TI internamente com controles de segurança detalhados e personalizados é uma tarefa complexa e bastante cara.

Com estruturas baseadas em nuvem, os custos de desenvolvimento e manutenção dos sistemas foram reduzidos e eliminaram parte do controle dos usuários.

Dimensionamento de velocidade

A segurança em nuvem exige atenção exclusiva, pois escalona os sistemas de TI de uma empresa. A infraestrutura e os aplicativos centrados em nuvem costumam ser modulares e podem ser rapidamente mobilizados.

Essa capacidade mantém os sistemas ajustados às mudanças empresariais de maneira uniforme. Apesar disso, apresenta considerações nas situações em que a empresa precisa de upgrades e conveniência, além de sua capacidade de acompanhar o ritmo da segurança.

Entenda O Que É Cibersegurança E Como Atuar Na Profissão

Interface com o sistema do usuário final

Os sistemas em nuvem fazem interface com diversos outros sistemas e serviços que precisam de proteção. Por isso, as permissões de acesso precisam ser mantidas desde o nível do dispositivo do usuário final até o software, sem se ignorar o nível de rede.

Além disso, provedores e usuários devem estar atentos às vulnerabilidades que podem ser causadas devido a configurações e comportamentos inseguros no acesso ao sistema.

Proximidade com outros dados e sistemas em rede

Os sistemas em nuvem são uma conexão persistente entre provedores de nuvem e todos os usuários. Como esta é uma rede grande, pode ser que ela comprometa até o próprio provedor. Isso porque basta que um dispositivo ou componente fraco seja explorado para infectar os demais. 

Os provedores de nuvem ficam expostos às ameaças que podem ser trazidas por diversos usuários finais com os quais interagem, independente do serviço fornecido. 

A maior parte dos problemas de segurança na nuvem pode ser solucionada se usuários e provedores de nuvens se mantiveram proativos a respeito de suas funções na cibersegurança. Com essa dupla abordagem, usuários e provedores cuidam mutuamente de:

  • Manutenção e configuração seguras do sistema;
  • Educação técnica e comportamental de segurança do usuário.

Por último, os provedores e usuários de nuvem devem agir com transparência e se responsabilizar por garantir que a segurança das informações e dados para ambas as partes.

Saiba como tornar a gestão de acessos mais segura!

Quais são os principais tipos de ameaças cibernéticas que podem atacar sua nuvem?

Confira os principais tipos de ameaças que podem colocar seus dados em nuvem em risco:

1. Partilha de chaves de acesso

Cada usuário da empresa deve ter uma chave de acesso única e intransferível. Caso diversos utilizadores compartilhem um login, é mais difícil identificar quem causou alguma lesão ao sistema ou assegurar que todos utilizem a plataforma de maneira adequada.

Para contornar esse tipo de problema, é possível implementar a autenticação por certificados digitais, especialmente para os usuários que acessam dados mais sensíveis.

O Whom? é uma ferramenta que visa reduzir erros na partilha de certificados digitais. Conheça!

2. Falhas contratuais

Todos os termos relacionados à falência do provedor, rompimento ou término de contrato devem estar bem claros e definidos no contrato. Além disso, o destino dos arquivos mantidos na nuvem e um prazo para a mudança precisam estar registrados em contrato.

3. Despreparo dos colaboradores

Se as equipes não estiverem preparadas para lidar com a nuvem, podem acabar comprometendo a estabilidade e segurança do serviço, em especial quando a empresa permite o acesso a arquivos por meio de dispositivos móveis.

Por esse motivo, é essencial promover ações de conscientização e treinamentos para as empresas que adotam a computação em nuvem. Também é importante que o gestor faça um monitoramento próximo, com controle de acessos e ações de prevenção. 

Desafios para melhorar a segurança na nuvem atualmente

Má configuração de recursos

Quando os recursos na nuvem não são configurados da forma correta, eles podem apresentar diversos riscos à segurança. A maior parte das violações de dados ocorre devido a descuidos nesse sentido. Todos os ambientes de nuvem pública podem ser alvo desse tipo de ataque caso os controles de acesso não estejam configurados corretamente. 

Para resolver esse desafio, é preciso garantir os controles de acesso e manter formas de autenticação. Por exemplo, sem a autenticação multifator, a nuvem pode ser exposta a riscos de segurança evitáveis. Caso ela não esteja instalada, hackers podem acessar informações críticas da conta e criar recursos e novas contas, gerando problemas ainda maiores.

Gestão de nuvem híbrida

A nuvem híbrida pode complicar a segurança para os administradores que não estão familiarizados com a configuração desse tipo de infraestrutura. As empresas devem estar cientes dos desafios relacionados à implementação de uma arquitetura que conecte seu banco de dados privado à nuvem pública.

Para evitar ataques, é preciso proteger vulnerabilidades da nuvem híbrida como:

  • Autorizações;
  • Autenticação;
  • Transferência de dados;
  • Falta de experiência do usuário;
  • Conformidade;
  • Conexões de rede.

Criação de aplicações por meio da inteligência artificial

As tecnologias de inteligência artificial e aprendizado de máquina baseadas na nuvem ampliam os recursos de desenvolvedores e cientistas de dados. Apesar disso, elas também trazem novos desafios de segurança. 

Isso porque elas utilizam diversas fontes de dados no seu desenvolvimento, o que pode aumentar as chances de ataques de hackers. Por esse motivo, as equipes de TI devem mapear os fatores de ataques comuns e avaliar a dificuldade para impedir a invasão de hackers.

Diversas estratégias podem ser implementadas para evitar que qualquer entidade maliciosa explore as vulnerabilidades da inteligência artificial e do aprendizado de máquina.

Como o Whom trabalha com segurança na nuvem?

O uso de certificados digitais normalmente é feito por meio da instalação de um programa autenticador que verifica as permissões do documento para comprovar que ele é verídico. Porém, com o Whom, que faz o gerenciamento desses documentos, não há a necessidade da instalação de nenhum programa.

Isso porque, por meio do Whom, o certificado digital é armazenado na nuvem para que o próprio sistema faça a autenticação do documento e o acesso às plataformas. Tudo isso é feito por meio de uma extensão instalada no navegador do usuário, protegida por meio de um código token.

Além disso, o gestor pode realizar uma gestão de acessos segura ao configurar, conceder e controlar permissões por meio de um único certificado digital. O Whom é 100% SaaS e permite que o usuário proteja suas informações e restrinja atividades para os demais usuários.

Conclusão

Garantir a segurança na computação em nuvem é essencial para empresas que utilizam esse sistema para o compartilhamento ou armazenamento de dados e operações. Dessa forma, é possível garantir a segurança e a privacidade de dados em aplicativos, infraestrutura e plataformas on-line. 

As medidas de proteção devem ser tomadas tanto pelos provedores de sistemas na nuvem quanto pelos usuários. Dessa forma, é preciso se certificar de que o provedor se preocupa com a segurança e a inclui nos termos contratuais, ao mesmo tempo que é preciso treinar as equipes para utilizar os sistemas da maneira correta.

Continue acompanhando o blog do Whom e fique por dentro de assuntos relacionados à segurança da informação em seu negócio.

Lorem ipsum dolor sit amet

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur. A vestibulum diam tincidunt mi odio aliquam tellus aliquam dictum. 

SAIBA MAIS

Compartilhe:

MAIS CONTEÚDOS PARA VOCÊ

Recompensa em Dinheiro

LEIA MAIS

Saiba Como um Advogado Correspondente pode Facilitar a Rotina da sua Empresa

LEIA MAIS

Robôs Extinguirão as Carreiras Jurídicas! Só que não

LEIA MAIS
Assine a Newsletter e fique por dentro das novidades.